Imagem retirada de http://www.educacao.sp.gov.br/noticia/6-dicas-para-preservar-seguranca-de-criancas-e-adolescentes-na-internet/

O advento das redes sociais, a popularização de tecnologias como o smartphone e o tablet e o acesso à internet mudaram profundamente a forma como nos comportamos e nos relacionamos. A segurança desses ambientes digitais é um desafio complexo, em especial para pais e educadores que queiram proteger e garantir a preservação dos jovens no vasto e muitas vezes desconhecido campo da internet.

Na internet, a segurança nem sempre é uma questão prática. Isso significa que desenvolver hábitos muitas vezes é mais seguro que a instalação de dispositivos. Saber identificar possíveis sites e contatos de atenção, ou escolher senhas mais fortes são alguns costumes que podem ser desenvolvidos em jovens para evitar golpes, ameaças e outros comportamentos de risco.

A seguir, você confere uma série de dicas para estimular crianças e adolescentes a terem hábitos mais saudáveis na internet.

Atue na escolha de senhas fortes e de difícil adivinhação

A senha de redes sociais ou de um computador pessoal não pode ser compartilhada e deve ser de difícil adivinhação. Evitar dados de identificação, como nome ou sobrenome, ou informações facilmente identificáveis, como endereço, escola ou nome do animal de estimação, é uma maneira de criar uma senha forte. O uso de letras maiúsculas, números e símbolos também ajuda a criar um padrão e evita o uso de senhas por terceiros, para criação de perfis falsos ou crimes virtuais.

Estabeleça um tempo diário de acesso

Negocie o tempo de acesso à internet com jovens e adolescentes. Estabelecer uma rotina diária de acesso ajuda também a organizar a vida do jovens e estabelecer momentos de estudo e outras atividades prazerosas, como passear, estar com a família, estar com amigos ou praticar atividades físicas. Para ajudar nessa rotina, coibir notificações pode ser importante para não gerar ansiedade.

Oriente sobre a participação em grupos de conversa

Participar de chats, fóruns, grupos em redes sociais e em aplicativos de mensagens é natural entre jovens, ainda mais num momento de busca por identidade e conexão. Mas com cuidado. Oriente para que eles não compartilhem informações pessoais, como nome, sobrenome, endereço, nome da escola e nome dos pais nesses grupos

Medie encontros com amigos virtuais
Acompanhar com quem o jovem fala online e quando acontecem os momentos de encontros presenciais é fundamental para evitar riscos. A participação de pais e educadores é fundamental na mediação desses encontros. Além de gerar confiança, a presença de um pai ou de um responsável afasta pessoas má intencionadas.

Oriente sobre responsabilidade e reputação digital
Ter um celular e poder compartilhar informação, seja por mensagens ou nas redes sociais, é uma grande responsabilidade. Oriente jovens para que eles exerçam essa liberdade com inteligência, ou seja, não compartilhem imagens ou escrevam coisas que possam se arrepender depois. A internet não guarda segredo e não perdoa.

Estimule a conversa quando algo incomoda
A conversa e transparência é o melhor meio de identificar riscos. Solicite que conversem com você e busquem ajuda toda vez que virem algum conteúdo que cause medo, insegurança ou provoque desconforto.

Cartilha do Google orienta professores sobre o uso seguro da internet
Uma cartilha desenvolvida pelo Google, em parceria com a Safernet, orienta professores sobre o uso seguro da internet. O guia inclui atividades elaboradas para que os alunos aprendam a usar as fontes de informação de maneira crítica, desenvolvam senso crítico a situações de risco e adotem medidas para reforçar o uso seguro da internet.

fonte: Portal do Governo do Estado de São Paulo

RGB Comunicação